segunda-feira, 10 de janeiro de 2005

Silêncio

Beijo


Não posso deixar que te leve
O castigo da ausência,
Vou ficar a esperar
E vais ver-me lutar
Para que esse mar não nos vença.
Não posso pensar que esta noite
Adormeço sozinho,
Vou ficar a escrever,
E talvez vá vencer
O teu longo caminho.

Quero que saibas
Que sem ti não há lua,
Nem as árvores crescem,
Ou as mãos amanhecem
Entre as sombras da rua.

Refrão
Leva os meus braços,
Esconde-te em mim,
Que a dor do silêncio X 2
Contigo eu venço
Num beijo assim.

Não posso deixar de sentir-te
Na memória das mãos,
Vou ficar a despir-te,
E talvez ouça rir-te
Nas paredes, no chão.
Não posso mentir que as lágrimas
São saudades do beijo,
Vou ficar mais despido
Que um corpo vencido,
Perdido em desejo.

Quero que saibas
Que sem ti não há lua,
Nem as árvores crescem,
Ou as mãos amanhecem
Entre as sombras da rua.

Refrão


Pedro Abrunhosa

3 comentários:

Bw disse...

Olá! parabéns pela escolha de um poema, apesar de gostar bastante de pedro abrunhosa não conhecia essa música. é sem dúvida inspirador e fica sempre bem num blog.

Nós(entre)tantos disse...

Olá! lindo, sem dúvida... e de fazer chorar as pedras! pareces apaixonado...

hala_kazam disse...

essa musica sempre me ajudou a pensar nos momentos em que mais precisei

:)


*beijos*